CIM Região de Coimbra promove auditoria energética às piscinas municipais

picina municipal de cantanhede

A CIM Região de Coimbra vai promover um conjunto de auditorias energéticas às piscinas municipais existentes no território, de modo a obter um levantamento de medidas de eficiência energética que possam constituir Planos Individuais de Racionalização de Consumos de Energia (PRCE) para cada um dos equipamentos auditados.

Associadas a grandes consumos de energia térmica e de eletricidade, devido aos equipamentos que possuem, ao modo como estes são controlados e à envolvente dos edifícios em especial dos módulos que contêm o tanque de água, as piscinas municipais existentes no território da CIM RC cumprirão um plano de racionalização de consumo, criado a partir das medidas identificadas na auditoria com o respetivo plano de medição e verificação.

Em cada auditoria serão efetuadas as análises energéticas necessárias à identificação de medidas de racionalização e análise de custo-benefício de cada uma delas, devendo as mesmas gerar benefícios financeiros.

As auditorias incluem o estudo detalhado dos custos de aquecimento de água da piscina, sistema de bombagem (inclui filtragem e tratamento de água), desumidificação e climatização do espaço, iluminação, águas quentes sanitárias, envolvente do edifício (sobretudo zonas envidraçadas) e possibilidade de incorporar energias renováveis (solar térmico para AQS e/ou fotovoltaico para autoconsumo).

O resultado final de cada auditoria às instalações das piscinas incluirá a definição de um plano de ação de eficiência energética, bem como a definição dos mecanismos de medição e verificação que permitam a avaliação e o acompanhamento do desempenho da eficiência energética do investimento feito em cada medida de racionalização de consumo.

Nas auditorias a realizar será identificada a possibilidade de utilização de energias renováveis, com elevado potencial de redução ou substituição de consumos (produção para autoconsumo), contribuindo para a redução de emissões de gases com efeito de estufa – utilização de energia solar térmica (AQS); biomassa e energia fotovoltaica (autoconsumo).

Após a realização física das intervenções será efetuada em cada piscina a avaliação do desempenho e da eficiência energética do investimento.

Esta é uma medida constante do Pacto de Desenvolvimento e Coesão Territorial da CIM Região de Coimbra, documento onde as questões energéticas possuem uma importância estratégica e que serão tratadas por um vasto conjunto de iniciativas e projetos.