Conselho Intermunicipal da CIM Região de Coimbra defende reforço dos fundos para o Plano de Gestão de Riscos

DSC_6106

Face às consequências para as populações dos concelhos de Coimbra, Montemor-o-Velho, Soure e Figueira da Foz da subida de nível do rio Mondego, a 11 do corrente, e das limitações detetadas no sistema de monitorização dos recursos hídricos, essenciais para atuar em caso de catástrofe, o Conselho Intermunicipal da CIM Região de Coimbra, reunido terça-feira, dia 19 de janeiro de 2016, assume como fundamental o reforço dos fundos destinados ao Plano de Gestão de Riscos.

A modernização do sistema de alerta de cheia é uma medida urgente, considera o Conselho Intermunicipal, já que a manutenção dos equipamentos que integram a rede nacional de recursos hídricos tem estado sujeita a restrições orçamentais que colocam em causa a fiabilidade dos dados recolhidos sobre os caudais dos rios.

As reconhecidas limitações ao investimento e a falta de recursos da Agência Portuguesa do Ambiente comprometem a eficácia do funcionamento da rede de monitorização geridas pelo Serviço Nacional de Informação de Recursos Hídricos, pelo que se afiguram inevitáveis medidas a curto prazo que revertam a situação, de modo a salvaguardar a segurança de pessoas e bens.

Se o estado ecológico e qualidade da água está globalmente assegurado, de acordo com o que tem vindo a público, já a divulgação dos dados meteorológicos (precipitação, vento, humidade relativa, evaporação) encontra-se condicionada devido às consequências das intempéries e a atos de vandalismo.

Assim, o Conselho Intermunicipal da CIM Região de Coimbra entende como prioritária a reavaliação da distribuição dos fundos do Programa Operacional da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos - Eixo Prioritário 2 – promover a adaptação às alterações climáticas e a prevenção e gestão de riscos – que prevê o reforço das medidas de adaptação às alterações climáticas e prevenção e gestão de riscos associados ao clima – nomeadamente erosão, incêndios, inundações, tempestades e seca, incluindo ações de sensibilização, proteção civil e sistemas e infraestruturas de gestão de catástrofes.