Montemor-o-Velho: entrega de equipamentos de proteção individual “Acréscimo de proteção e de confiança”

Na intervenção que produziu a anteceder a assinatura do protocolo de cedência, o presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, Emílio Torrão, congratulou-se com a presença do presidente da CIM RC, João Ataíde, na cerimónia e enalteceu o esforço da CIM RC em todo o processo.

Manuel Girão, presidente da AHBVMV, agradeceu a ação da CIM RC e da Autarquia. João Ataíde, presidente da CIM RC, aproveitou para esclarecer “a saga” da entrega dos EPI, cujos concursos foram lançados em tempo útil, mas que sofreram alterações por via da nova organização territorial e de competências das CIM e das Autarquias. “Não tivemos qualquer responsabilidade no retardamento na entrega do equipamento. Existe é um processo moroso que temos de executar”, sublinhar.

A entrega dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) aos Bombeiros Voluntários de Montemor-o-Velho decorreu no Salão Nobre dos Paços do Município.

O presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, Emílio Torrão, foi o anfitrião do presidente da CIM Região de Coimbra, João Ataíde na cerimónia de assinatura do protocolo de cedência de equipamentos de proteção individual (EPI) à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Montemor-o-Velho (AHBVMV), representada pelo presidente Manuel Girão, que se fez acompanhar pelo comandante Paulo Teixeira.

A cedência dos EPI resulta da candidatura para aquisição de equipamentos de combate a incêndios em espaços naturais da Região de Coimbra.

Mortágua: entrega de equipamentos de proteção individual Elogios à CIM RC e ao Secretário Executivo

O presidente da Câmara Municipal de Mortágua, Júlio Norte, elogiou o trabalho desenvolvido pela CIM Região de Coimbra no processo que conduziu à cedência dos EPI aos Bombeiros Voluntários de Mortágua, destacando a acção do Secretário Executivo, Jorge Bento, “um homem sensível às questões dos bombeiros” e que “funciona como a nossa almofada” na maioria das questões relacionadas com as autarquias.

Segundo Júlio Norte, o Secretário Executivo da CIM RC tem em mãos um “menino complicado” [o quadro comunitário 2020] que “exige esforço e dedicação”, mas mesmo assim, sublinhou, “não deixou de tudo fazer para tornar possível a entrega dos equipamentos aos bombeiros no início da época”.

Felizmente, considera o presidente da Câmara Municipal de Mortágua, as condições climatéricas têm ajudado, mas nada garante que a actual situação não sofra alterações, pelo que é necessário manter vigilância apertada em todo o território.

O atraso na entrega dos equipamentos de protecção individual aos bombeiros foi motivo de preocupação para todos os autarcas, disse Júlio Norte, que foi peremptório ao descartar a responsabilidade da CIM RC no atraso. O autarca desejou um Verão tranquilo aos Bombeiros Voluntários e disse que a protecção civil é uma causa que não tem épocas e que envolve várias entidades do concelho.

O Secretário Executivo da CIM RC, Jorge Bento, aproveitou a cerimónia, em Mortágua, para explicar o processo de entrega dos equipamentos de protecção individual às corporações de bombeiros do Baixo Mondego e lembrou que, por força da Lei 75/2013, de 13 de Setembro, o concurso público que estava a decorrer em nome da CIM Pinhal Interior Norte para fornecimento dos EPI dessa área territorial, foi extinto.

Segundo o responsável, não era possível um modelo diferente de distribuição do equipamento (dividindo o existente por todas as corporações do território da CIM RC, por exemplo) porque os pedidos foram efectuados por cada uma das corporações da CIM Baixo Mondego de acordo com a constituição física dos respectivos elementos.

O processo está, assim, em marcha e tudo está a ser feito para disponibilizar o mais rápido possível os EPI que faltam.

Jorge Bento desejou que os EPI entregues aos Voluntários de Mortágua tenham utilidade nas acções de formação de novos bombeiros, mas longe dos cenários tantas vezes habituais nesta altura do ano. Para o Secretário Executivo da CIM RC, “se isso acontecer, é sinal que o Verão foi tranquilo e que não se verificaram prejuízos quer pessoais, quer materiais”, concluiu Jorge Bento.